“Está consumado”

Diante do mistério da Páscoa,
minha alma se assombra
sem conseguir expressar, dizer, falar
da imensidão, do tamanho,
da glória, do poder
desse mistério.

É como se eu me afogasse,
sem ar,
pelo excesso, pela superabundância, de ar.
A superabundância da graça
me prostra,
nada que eu diga,
ou pense, ou sinta,
ou veja, ou compreenda,
consegue expressar, entender, dizer
da glória, do esplendor,
da magnitude, da potência,
da suprema realidade
deste mistério.… Leia mais “Está consumado”